A reflexão-na-ação: recurso para melhores práticas docentes

IMAGEM01_HOMEM_PENSANDO Muitas perguntas têm feito parte do cotidiano dos professores comprometidos em realizar mudanças em sua prática educativa, tais como: que teorias e recursos seriam mais adequados para me ajudar a ir além do conhecimento que já possuo e pensar em novas estratégias de aprendizagem? Que caminhos seguir para alcançar melhores resultados de aprendizagem nos alunos e aprimorar as minhas competências e habilidades profissionais?

Assumir o compromisso com a mudança não é tarefa fácil, tendo em vista o contexto educacional da atualidade, no qual a escola tem sido constantemente questionada quanto ao seu papel na sociedade e a efetividade dos processos e resultados na formação dos estudantes. Porém, assumir que a instituição escolar é o espaço oficial da manutenção do conhecimento sócio-histórico e da construção de novos conhecimentos dá forças para encarar as incertezas e inseguranças que as mudanças provocam, pois elas fazem parte do processo de transformação da escola e das práticas pedagógicas.

copoEnxergar as possibilidades mais do que os impedimentos e as dificuldades é um passo importante para ser inovador em sala de aula. A partir deste ponto de vista é que são considerados os princípios de Donald Schön (2000) como possibilidades e recursos para que o professor introduza mudanças em suas aulas e promova melhores práticas, conquistando melhores resultados.

Este pesquisador americano idealizou o conceito de professor prático-reflexivo, definindo-o como o profissional que busca constantemente aprimorar seu “talento artístico”, por meio de uma postura reflexiva sobre o que, como e por que utiliza certos conhecimentos e práticas nas diferentes situações de aprendizagem. Chamado também de “designer”, este professor usa seu “talento artístico” para extrapolar as regras e padrões tradicionais de resolução de um problema, experimentando novas estratégias e refletindo sobre seus resultados. Intitulá-lo como “designer” significa que, ao praticar diferentes soluções de ensino e aprendizagem o professor desenha, constrói, aprimora suas competências e habilidades para ensinar e também para aprender (SCHÖN, citado por NICKEL, 2006).

Aprender passa a ser o resultado do processo educativo tanto para o professor como para o aluno, pois juntos são desafiados a construir o conhecimento, numa relação dialógica e horizontal, não mais unilateral e autoritária, a exemplo da pedagogia tradicional.

professor designerEntão como desenvolver o “talento artístico”? Para Schön (2000) os profissionais possuem e utilizam diariamente o “conhecimento-na-ação” do qual fazem parte as sensações, percepções, teorias, procedimentos, experiências e o que aprendem do senso comum. Trata-se de um “conhecimento tácito”, utilizado espontaneamente e sem que se precise descrever verbalmente as regras e procedimentos da ação. São estratégias e compreensões para realizar uma tarefa.

Porém, como aprimorar este “conhecimento-na-ação”? Para o autor faz-se isto praticando a “reflexão-na-ação” na qual o professor reflete sobre o passo-a-passo da sua ação pedagógica e sobre o conhecimento que colaborou para os resultados obtidos, especialmente quando a aprendizagem que esperava não foi alcançada ou teve desvios. Pode-se utilizar a reflexão-na-ação de duas maneiras: 1) após o resultado obtido ou 2) durante a ação, com pausas para reajustes. Nesta, cada parada para reflexão dá subsídios para a próxima ação, possibilitando o pensar imediato e significativo sobre o que se conhece e sobre o que se faz. É o momento no qual se questiona os conceitos, valores, percepções, conhecimentos e o próprio raciocínio.

Se o professor quiser ir mais além, pode também desenvolver a “reflexão sobre a reflexão-na-ação” que se traduz pela capacidade de descrever verbalmente o processo de ação. Trata-se de uma reflexão-na-ação de forma habilidosa, na qual se entende como se aprende, quais pressupostos embasaram a reflexão para que fosse possível descrevê-la. Neste diálogo entre teoria e prática professor e alunos constroem o conhecimento e percebem o que ainda precisam aprender, buscar e aperfeiçoar. Assim, desenvolvem competências, realizam inovações e ampliam o seu conhecimento-na-ação. Este novo conhecimento-na-ação passa a fazer parte do cotidiano, incorporando-se às suas práticas (SCHÖN, citado por NICKEL, 2006).

Aprimorar o conhecimento-na-ação, ou o “talento artístico” envolve fundamentalmente a experimentação e a reflexão, nas quais o professor “age mais como um reconstrutor e não como quem apenas adapta as situações a sua visão de mundo construída sob conceitos e crenças (NICKEL, 2006, p.67)”.

Os professores têm um papel central na busca pela aprendizagem mais efetiva e são os especialistas no processo de mudança. Portanto, apostar na prática reflexiva sobre a ação pode ser uma possibilidade real para conquistar melhores resultados de aprendizagem além de aprimorar o seu talento profissional.

Elaboração: Êrica Elisa Nickel

 Referências:

NICKEL, Êrica Elisa. A reflexão-na-ação como princípio norteador para a formação do pedagogo reflexivo. Curitiba, 2006. 148fls (dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Educação. Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

 

 

Deixe uma resposta

Se você conhece códigos HTML, pode utilizar estes em sua mensagem: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>